Novembro 27, 2020

100 anos de Maria da Fonte

maria da fonte

Dá-se o nome de Maria da Fonte à rebelião popular que se iniciou no Minho, no mês de Maio de 1846, acabando por alastrar por todo o País, dando origem a uma feroz luta civil conhecida como “a guerra da patuleia”. Em causa, aparentemente, esteve a chamada “lei da saúde”, que proibia os enterramentos nas igrejas como até aí era tradição, causando grande contestação popular e o forte descontentamento contra o fisco e o governo autoritário de Costa Cabral, que a designou como a “revolução do saco ao ombro e da roçadoura na mão”.

Está colocada no jardim Teófilo Braga, em Campo de Ourique

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por JF Campo de Ourique (@jfcampodeourique) a

Leia também: O lago que atravessa gerações e fica no “coração” de Campo de Ourique

A 15 de Setembro de 1920, comemorando os 100 anos da proclamação do regime liberal, foi inaugurado o monumento à heróica Maria da Fonte, a jovem mulher de Fonte da Arcada que terá liderado o alvoroço das mulheres minhotas. Mais do que uma homenagem à figura feminina ali representada, a estátua é, por um lado, a alegoria do movimento popular libertador que lavrou em grande parte do reino, e, por outro, da liberdade alcançada com a instauração do regime liberal em Portugal.

Veja ainda: De dia ou de noite, Campo de Ourique é sempre incrível

Obra plena de movimento e de expressão, que se enquadra nas correntes Naturalista e Realista, da autoria de Costa Motta (tio), em mármore branco, representa uma mulher jovem, descalça, envergando vestes minhotas, empunhando um chuço sobre o ombro esquerdo, e uma pistola erguida na mão direita, em posição de incitamento. Está colocada no jardim Teófilo Braga, em Campo de Ourique, local de evocação revolucionária, por aí terem ocorrido, em 1803, os motins que culminaram com o estabelecimento do regime liberal em Portugal.

Fonte: Lisboa Património

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*