Dezembro 17, 2017

Amoreiras vai expor réplicas de obras de arte

O Museu Nacional de Arte Antiga vai levar ao centro comercial das Amoreiras, em Lisboa, 31 réplicas de pinturas, de quarta-feira, 4 de outubro, a 5 de novembro, num convite ao público para que vá ver os originais.

Em declarações à Lusa, o diretor do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), António Filipe Pimentel, disse que se trata de uma amostra, um chamar de atenção para a coleção do museu, uma vez que “as obras verdadeiras estão à espera das pessoas no MNAA”.

Em 31 lojas das Amoreiras podem ser vistos quadros como “Vista do Mosteiro e Praça de Belém”, do pintor Filipe Lobo, além de trabalhos de Cristóvão de Morais e Domingos Sequeira.

“Por sua vez, os grandes mestres europeus também merecem lugar de destaque, como Albrecht Dürer, o mais famoso artista do Renascimento nórdico, Hans Menling, um dos mais importantes pintores alemães, e Pieter Bruegel, o Jovem, da reconhecida família de artistas belgas”, pode ler-se no comunicado sobre a mostra “MNAAmoreiras”.

De Dürer, tem o museu várias gravuras no seu acervo, assim como o óleo “São Jerónimo”, que está na exposição permanente. “A virgem e o menino”, de Hans Menling, e “Obras de misericórdia”, de Pieter Bruegel, o Jovem, estão também patentes nas salas de pintura europeia.

Há nesta iniciativa um objetivo comum das duas instituições, nas palavras do diretor do MNAA: “Das Amoreiras, reforçar o prestígio; do ponto de vista do museu, reforçar a visibilidade das suas coleções e o apelo a que as pessoas as venham ver”.

“Por muito extraordinária que seja a réplica, há uma diferença de monta que só no museu se pode ver”, afirmou António Filipe Pimentel à Lusa, estabelecendo os paralelos com o projeto “ComingOut”, em 2015, quando o museu levou às ruas de Lisboa várias obras de arte.

O diretor do MNAA explicou que o convite partiu das Amoreiras e que “há uma pequena história por trás”, no contexto do “ComingOut”, que acabou por coincidir com a campanha “Vamos pôr o Sequeira no lugar certo”, para aquisição do quadro “A Adoração dos Magos”, de Domingos Sequeira, a que a empresa proprietária das Amoreiras se associou.

Questionado sobre um eventual impacto de projetos como o “ComingOut” e agora o “MNAAmoreiras” no número de visitantes do Museu Nacional de Arte Antiga, Pimentel realçou não ser possível quantificar o efeito direto de tais iniciativas, mas disse que “as visitas organizadas em paralelo com as obras que estavam na rua foram um sucesso de públicos”.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*